nakliyat eskişehir halı mağazası menemen evden eve nakliyat aliağa nakliyat mersin evden eve nakliyat eskişehir beyaz eşya servisi yabancı dil eğitimi evden eve nakliye ankara implant ankara gülüş tasarımı

Como realizar um projeto com lajes nervuradas?

Publicado por admin em 30 de janeiro de 2019

Tem se tornado cada vez mais comum o uso das lajes nervuradas na construção civil, o que é facilmente compreensível tendo em vista as inúmeras vantagens que esse tipo de estrutura oferece.

Além de possibilitar vãos mais amplos e uma estética atraente, o emprego de lajes nervuradas também garante mais economia, produtividade e sustentabilidade para a obra.

E quando o assunto é isolamento térmico e acústico, também é comprovado que o desempenho das lajes com nervuras é superior a outros tipos de lajes.

Se você quer aproveitar todos esses benefícios no seu projeto, confira a seguir algumas dicas preciosas para não errar na hora de planejar e construir esse tipo de estrutura.

Por onde começar?

O que norteia o desenvolvimento de um novo edifício é o projeto de engenharia. Nele, são detalhados todos os aspectos estruturais e até mesmo as modificações que podem afetar a finalidade do ambiente.

Tendo esse projeto em mãos, é desenhado um planejamento que contempla desde a concepção do empreendimento até a sua execução.  Aqui, são previstos os prazos, custos, mão de obra, entre outros itens fundamentais que determinarão se a obra será mais ágil ou mais extensa, dependendo da sua complexidade.

Planejamento de Projeto de Engenharia Civil

Quanto mais precisas forem as previsões desse plano e sua gestão, maior a probabilidade de evitar atrasos, gastos e retrabalhos. Inclusive, é possível pensar em medidas para agilizar decisões e se preparar para possíveis imprevistos.

Nesse ponto, também são estudadas as soluções e processos mais eficientes para garantir economia e produtividade durante a execução e após a entrega da empreitada.

Pré-dimensionamento e dimensionamento

Após a elaboração do planejamento, a primeira etapa é a concepção do edifício. Ela fica sob responsabilidade dos arquitetos, que irão desenhar os traços estéticos e funcionais do empreendimento. Juntamente a isso, é feito um pré-dimensionamento da obra, que é a projeção prévia das dimensões da estrutura necessária.

pre-dimensionamento

Depois dessa previsão, o engenheiro estruturalista estabelece a disposição e dimensões de vigas, pilares e lajes ou capiteis. Por meio desse dimensionamento, é possível calcular a quantidade necessária e o tipo de material ideal para execução do empreendimento.

A escolha da laje nervurada entra nesse processo. Ela pode ser pré-definida pelo arquiteto; pensando em fins estéticos e de funcionalidade, ou apontada pelo engenheiro calculista como a melhor solução para a estrutura planejada.

Aqui, prevemos também quais tipos de fôrmas, suas dimensões e qual impacto elas podem assegurar na redução de materiais, levando em consideração a distância entre estruturas verticais (pilastras).

No mercado, encontramos diferentes modelos de fôrmas. A Atex, por exemplo, dispõe de mais de 120 soluções que atendem as necessidades dos mais diversos estilos de projetos.

Escolha dos materiais

Após escolher a melhor solução para o seu projeto, o próximo passo é a escolha dos fornecedores e materiais. Nessa etapa, é importante analisar com cautela a qualidade dos produtos que serão adquiridos, evitando imprevistos e custos adicionais.

Quando se trata da construção de lajes nervuradas, a estrutura e as fôrmas normalmente são alugadas. Sendo assim, se há danificação desses itens, gera-se um gasto adicional ao projeto, já previsto nos contratos de locação.

Por isso, é importante que os materiais sejam mais resistentes para suportarem à adversidades de um ambiente ríspido como o canteiro de obra.

Pensando nisso, a Atex oferece fôrmas de alto desempenho que são fabricadas com as melhores resinas termoplásticas, utilizando polipropileno com tecnologia de ponta.

Por ser um produto com qualidade superior, o ciclo das fôrmas Atex permite inúmeras reutilizações. Além disso, quando elas sofrem alguma avaria são recicladas para dar origem à espaçadores de ferragens para construção, o que reduz o descarte de resíduos que poderiam causar danos ao meio ambiente.

Organização do canteiro

Antes de passarmos para a fase de execução, um ponto importante a ser pensado é o planejamento do canteiro de obras. Com isso, conseguimos proporcionar fluxos mais integrados e eficientes, além de reduzir as perdas de materiais, otimizar as condições de trabalho e melhorar a produtividade e sustentabilidade da obra.

organizacao-canteiro-de-obra

Por isso, um projeto de canteiro prevê desde o local de armazenamento de materiais e ferramentas, até alojamento e escritórios. Alguns empreendimentos podem até mesmo incluir um espaço de vendas.

Vale ressaltar que essa estrutura deve ser flexível, se adaptando a cada momento da obra.

Com o canteiro de obras organizado, também é viável garantir uma boa gestão de resíduos, seguindo os parâmetros estipulados. Assim, deve-se adotar medidas que minimizem a geração de resíduos em todo o ciclo da obra.

Confira aqui como implantar uma boa gestão de resíduos.

Montagem da estrutura

Uma das muitas vantagens de se escolher a laje nervurada é a facilidade de montagem e desmontagem. O melhor é que elas não requerem mão de obra especializada.

A etapa de montagem da estrutura tem início logo após o processo de fundação do projeto. Primeiramente, é construída a armação que dá suporte à implementação das lajes/pisos, o escoramento e o cimbramento. Eles auxiliam na sustentação do peso do pavimento e das cargas que operaram durante a cura do concreto, que pode durar em média 28 dias.

Existem diferentes tipos de sistemas de escoramento para lajes, mas muitas empresas têm optado por sistemas como o Cabetex, pois ele reduz o uso de madeira na execução da laje.

Além disso, essa solução tem instalação rápida e permite retirar as fôrmas e o escoramento após 72h da concretagem. Para que isso seja feito, é preciso manter as escoras fixas para que a laje não se movimente até o término da cura do concreto.

Concretagem, Forma e Desenforma

Finalmente chegamos ao momento de colocar a mão na massa. Para ter mais produtividade e menos estresse nas etapas que vão da pré até a pós-concretagem, é bom tomar alguns cuidados:

Pré-concretagem

Antes da concretagem, devemos garantir que as cubetas estejam limpas, os conduítes bem posicionados e a estrutura de sustentação nivelada. Assim, evitamos as famosas “bicheiras” no concreto e problemas futuros com acabamentos. Outra orientação crucial é passar o desmoldante correto seguindo as instruções do fornecedor, o que facilitará o processo de desforma.

A Atex tem um desmoldante muito eficiente que cria uma camada fina e oleosa, impedindo o contato do concreto com as fôrmas. Com isso, reduz-se a chance de danos, além de melhorar a aparência final do concreto e aumentar a produtividade.

Concretagem

Com tudo pronto, podemos começar a aplicação do concreto. Ela deve ser feita por trechos e por camadas para evitar a sobrecarga da estrutura. O ideal é começar pelas nervuras. Listamos algumas ferramentas importantes que vão te auxiliar nessa parte.

Simultaneamente ao preenchimento da laje é feito o adensamento com vibradores no encontro das nervuras. Eles movimentam o concreto, eliminando espaços vazios e excesso de água. Esse passo é fundamental para que a estrutura não fique porosa, heterogênea ou apresente rachaduras com o passar do tempo.

Pós-concretagem

Como dito anteriormente, a cura do material dura em média 28 dias. Nesse período, ele deve ser protegido contra a ação de agentes naturais, produtos químicos, choques, vibrações ou mudanças bruscas de temperatura. Lembrando que quando utiliza-se o Cabetex, já é possível retirar as escoras, após 72h de cura.

Feito isso, passamos para a pós-concretagem, que inclui a desforma. Já falamos mais detalhadamente desse processo em nosso blog e você pode conferir o passo a passo aqui.

Utilize cunhas de madeira e martelos de borracha para retirar as fôrmas. A maneira correta é puxá-las por uma das laterais, para baixo, até soltarem completamente. Segure a fôrma para que ela não caia no chão. Assim, você evita danos humanos, materiais e não gera custos indesejados para a obra.

Se todos os passos forem seguidos à risca, ao final você terá uma laje integra, resistente, lisa e impermeável.

Ficou com alguma dúvida? Nossa equipe técnica oferece consultoria gratuita para todos os clientes. Entre em contato pelo atex@atex.com.br ou no 0800 979 36 11.

Será um prazer te atender!

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba em seu e-mail nossos conteúdos mais recentes e mantenha-se atualizado sobre o universo da construção civil.

    Últimos posts

    Deixe seu Comentário

      Post
      Relacionados

      Contatos comerciais em

      • Gunnar San Martin (Capital)

        11 99327-4498

        atexsp@atex.com.br

      • Eduardo Souza Lima (Capital)

        11 95259-6178

        eduardo.lima@atex.com.br

      • Maicon Douglas Oliveira (Capital)

        11 95259-5309

        maicon.oliveira@atex.com.br

      • Adriano Azevedo Oliveira (Capital)

        11 95259-5696

        adriano.oliveira@atex.com.br

      • Marcelo Santos Silva (Vale do Paraíba - Litoral)

        11 95259-6150

        marcelo.silva@atex.com.br

      • Tiago Figueiredo (Campinas e região)

        19 98892-2286

        tiago.figueiredo@atex.com.br

      • Leonardo Gomes (Ribeirão Preto e região)

        17 98831-7833

        leonardo.gomes@atex.com.br